“Um rancho em beira de rio, um vento vadio, um cheiro de flor. Um pio de passarinho, um chão de caminho no interior…" 

CHÃO DE CAMINHO é uma aventura, um encontro musical da Voz com o Bandolim de 10 cordas, “instrumentos” que podem sintetizar a alma brasileira, seu território sonoro diverso. É também imagético nos traços e cores, e na fotografia que ajudam a (re)criar a alma daquele território: a canção.

Surge da parceria dos músicos (gaúchos, radicados no Rio de Janeiro), a cantora Nina Wirtti e o bandolinista Luis Barcelos - apaixonados pela música de seu país e seus "vizinhos", pelos ritmos e sons essenciais que vêm do Brasil mais profundo e transcende a modernidade, que vêm de além-mar e do “continente adentro” com todo seu colorido, que se influenciam, e são vanguarda através das novas abordagens, novos olhares e novas escutas.

A antiga cumplicidade musical resultou em um show em duo e no novo disco- gravado “ao vivo” no estúdio, juntos em uma mesma sala, como o registro de um ensaio, espontâneo. A iniciativa foi do produtor - o músico carioca Carlos Fuchs - o de registrar esse encontro inusitado, e que soa com grande naturalidade, de experimentar um mecanismo diferente de produção e gravação de um cd na atualidade. Foi possível assim, um registro "vivo", que valorizou o talento de ambos, “expostos” nessa formação minimalista e desafiadora, de experimentação constante. 

O título é extraído de uma canção inédita do violonista, também gaúcho, Yamandu Costa com um de nossos maiores poetas, Paulo César Pinheiro - parceria sem registro em disco, até então.

A canção descreve todo o tempo uma paisagem que remete aos “ares de serra sem calor”; imagens que nos levam talvez ao mais remoto recanto no sul do Brasil, ou uma morada repleta de calor, no interior do continente. “Chão de Caminho” abre o disco que descortina um universo de novidades e de diálogos possíveis, nas canções inéditas de autores do Rio de Janeiro, do Rio Grande do Sul, do Pará, e pérolas do cancioneiro das primeiras décadas do século XX, como “Jangada”, de Herve Cordovil e Vicente Leporace (dos anos 40 que recebeu no arranjo de Luis a melodia litorânea e nostálgica de Dorival Caymmi).

Elas dialogam em “harmonia” com uma canção cubana, moderna e inédita, Barco Velero, entre outras como o encantador tango argentino, Fruta Amarga (mais uma influência dos ares do Sul).Os desenhos da artista Anita Moreira (com a fotografia e design gráfico de Gabi Lopes) propõem as imagens desse “trajeto” afetivo na identidade visual do projeto (que inclui o encarte do cd). E aí o encanto de influências da cultura popular exuberante de nosso "território": agreste, marítimo, de serra, de rios...pré-colombianos, nos traços característicos da artista.

Trajeto que dissolve as fronteiras artificiais de um grande território - de natureza única que se transforma poeticamente ao percorre-la, de sonoridades e de um colorido incomparável que tem o Brasil de Sul a Norte e todo continente de que é parte.Produzido na Tenda da Raposa, no Rio de Janeiro, o cd está sendo lançado em 2015, e tem show homônimo que pretende excursionar por diferentes estados do Brasil e fora dele. 

 

Nina Wirti / Luis Barcelos

"Chão de Caminho"

voz e bandolim 10 cordas

produção Carlos Fuchs2015